domingo, 11 de setembro de 2011

11 de Setembro: Uma data, infelizmente, inesquecível.


Não poderia deixar passar em branco os dez anos do atentado ao território dos Estados Unidos da América. Primeira e única vez que a grande potência foi atacada em seu território continental (pois não podemos esquecer de Pearl Harbor, na 2° Grande Guerra), o maior país do mundo parou, para relembrar seus compatriotas, que morreram em uma guerra que não era deles.

O chamado "marco zero", local onde as torres se localizavam, foi pela primeira vez aberto ao público, convidados que perderam seus entes no dia fatídico. As mais de 3.000 vítimas foram mencionadas e tanto o presidente atual, Barack Obama, como o presidente que vivenciou o ataque (antecessor deste), George W. Bush, discursaram brevemente e o resto da apresentação passaram atrás de vidros blindados. A segurança em New York foi aumentada para tal encontro. Também houveram homenagens no Pentágono, onde o terceiro dos quatro aviões sequestrados pela célula terrorista da Al-Qaeda se arremessou contra uma das faces do prédio que concentra a inteligência militar da maior economia mundial. O quarto, oficialmente, foi tomado pelos passageiros que tomaram o controle do avião e preferiram se sacrificar e arremesar o avião em direção ao solo do que esperar que os suicidas concluissem seu intento.

Tinha quase 7 anos na época dos atentados. Lembro vagamente do medo nos olhos de todos que estavam em casa e imaginavam que aquilo seria o ínicio de uma 3° Guerra Mundial. No começo, comentaram que seria um acidente, porém quando o segundo avião colidiu com a outra torre ao vivo, percebemos o perigo que aquilo anunciava.

O presidente americano logo foi levado para o Air Force One (ou a "Casa Branca dos céus") e, recentemente, assisti alguns documentários que diziam que a secretária de Estado dos EUA havia ligado para o presidente da Rússia, dizendo que todas suas forças estavam à postos e o russo respondeu: "No que pudermos ajudar, nos avise". Realmente a Guerra Fria havia findado...

A nova guerra, denominada "Guerra contra o Terror", tinha se iniciado. Não seria uma guerra de nação contra nação e sim, um país contra uma facção dominada por um homem. Semanas depois, os EUA invadiam o Afeganistão à procura de Osama Bin Laden, líder dos terroristas e mentor dos ataques. Teria início neste ponto uma guerra que custaria mais de 4 Trilhões de Dólares ao povo americano e mais de 250 mil baixas até hoje.

Percebemos o que isto causou. A "Roma" de nossos tempos está mais enfraquecida do que nunca. Sofrendo sucessivas crises financeiras e políticas, a única coisa que a mantêm é seu poderio bélico ainda incomparável e economia, mesmo devedora, ainda maior do mundo.

Recentemente, o cabeça da facção foi morto pela tropa de elite norte-americana em território paquistânes, em uma ação rápida e ultra-secreta até ser concluída. Infelizmente, o medo que este homem impôs ao mundo ainda é presente. Retaliações a religião mulçumana continuam ao redor do mundo, algo absurdo que deveria ser repensado. Nos EUA, em muitos pontos, se tens aparência de árabe, serás parado e revistado em aeroportos e outros locais. Algo que acaba só fomentando um ódio que de uma pequena facção xiita, acaba se espalhando pelo mundo do Islã.

O mundo não deseja reabrir feridas tão mal cicatrizadas, porém o medo ainda paira sobre os países alvo de tais fundamentalistas insanos, que ferem inocentes e mancham a reputação de sua própria religião, que deveria ser melhor conhecida, para assim, ser mais tolerada. A guerra ainda continua...

5 comentários:

Sofia disse...

Nossa, qu legal mesmo você mostrar sobre as Torres Gêmeas... Impossível esquecer mesmo! Apesar de eu só ter 1 aninho... kkkk


Beijos e parabéns pelo post/ postagem. ... !! ...


http://so-soline.blogspot.com

Anônimo disse...

Tv = 11 de Setembro
Curioso Inovador = Entretenimento
será que ainda é difícil entender?
Tava me animando com as postagens anteriores...
Nada mais a dizer...

Rafael Fontenele disse...

nao gostou nao leia a postagem pow, na moral, só um DESUMANO para nao prestar respeito e/ou uma homenagem a todas as famílias que perderam entes queridos nessa tragédia.
Pelo amor de Deus tenha consciencia.

Gabriela Orlandin disse...

Adorei o seu texto, pois acho mesmo que esse dia não pode passar em branco. o dia 11 de setembro de cada ano nunca mais será o mesmo, e o medo que este homem impôs aos EUS e ao mundo nunca mais será esquecido. Porque o mundo jamais esquecerá, e esse ataque mudou as nossas vidas para sempre. Americanos reforçaram a segurança, é mais difícil entrar no país deles, e o ódio contra os árabes é notável. Infelizmente, acho que esse sentimento nunca vai ter um fim. Sempre choro quando vejo essas reportagens na TV, e esse dia é ainda mais triste.
Um abraço.

V.A.Magalhães disse...

Obrigado rafael, mas por favor, não se dê mais o trabalho de responder porque só dá mais corda... Eu nem comento mais...

Fiquei emocionado com seu depoimento Gabriela, realmente. Feliz que tenha gostado Sofia e por ser mais nova que eu, espero que seja, no futuro, mais uma que não aceite tais preconceitos que só degradam a condição humana.

Postar um comentário