sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Tão Forte e Tão Perto... eu diria: Tão Impressionante

Chorei... simplesmente, chorei. Não há vergonha para mim em admitir que derrubei lágrimas ao assistir tão bela obra cinematográfica. Obtendo como plano de fundo o atentado do dia 11 de setembro, conhecemos o casal Schell, vividos por Sandra Bullock e Tom Hanks, que possuem um filho, interpretado por Thomas Horn

Apesar destes dois grandes atores, o mirim Horn rouba todo o filme e consegue nossa simpatia aos trancos e barrancos ao longo da trama. Sem saber direito se ele possue alguma condição especial, este garoto se mostra amendrotado, curioso, extremamente inteligente e, o que mais nos cativa, sua sinceridade.

Seu pai, um joalheiro, costumava estimular sua inteligência acima da média com charadas, enigmas e jogos... entretanto, a bela relação que vemos se desenvolver é cruelmente arrancada do pobre garoto no "pior dos dias", como ele mesmo fala.

Logo, após um ano amedrontado, ele resolve reaver as buscas que tinha com o pai e descobre algo que o estimula a ter um novo motivo para se sentir mais próximo de seu amigo... Tentando trazer lógica para um mundo que muitas vezes, simplesmente, não possui explicação, acompanhamos sua empreitada cheia de desafios, descobertas e emoções com diversas pessoas de New York. Uma jornada de evolução.

Baseado no livro de Jonathan Safran Foer, dirigido por Stephen Daldry e escrito por Eric Roth eu não esperava me emocionar com uma história tão bem desenvolvida e cheia de desfechos inesperados... 

Tão bom!

"Somente os seres humanos podem chorar lágrimas. Você sabia?" Oskar Schell

2 comentários:

Helaina_One disse...

Nossa... dá vontade de chorar só de ler a resenha.... eu não sou muito fã de drama... mas fiquei com vontade de assistir!!

Tem post novo no meu blog!!
Passe por lá para ler e comentar!
Desde já agradeço a visita!!

Beijusss;
http://hipercriativa.blogspot.com.br/

Renato Rios disse...

o problema da versão cinematográfica é uma discussão mais profunda sobre morte de civis em atentados ou em guerras que tem grande importância no livro, mas que vira detalhe de segundos no filme. A adaptação ao cinema foi realmente complexa dado os formatos visuais que o livro assume, impossíveis de serem levados ao cinema.
Ainda assim, é um filme emocionante, apesar de ser muito mais forte e deixar marcas muito mais profundas o livro...

Postar um comentário